Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Psicologia Reichiana’ Category

naked-bodies-art3

Imagem: Angelo Musgo

FONTE: KELEMAN, S. MITO & CORPO: UMA CONVERSA COM JOSEPH CAMPBELL. TRADUÇÃO: BOLANHO, D. M. EDITORA: SUMMUS EDITORIAL, 1999.

Existem lugares solitários onde podemos esconder nossas assombrações com aquela sensação de inviolabilidade que apenas os loucos conseguem construir. Esses lugares solitários costumam a nos seduzir com seu conforto e ao mesmo tempo nos prender como quando se cai em uma armadilha.

 Eu sei que você já deve ter estado nesses lugares solitários por muitos e muitos anos. Tem gente que nunca saiu de seus labirintos simplesmente porque nem consegue imaginar que existe algo fora desse espaço privado e confortável, onde nossa mente pode se isolar do mundo exterior como se fossemos apartados, cindidos, separados.

A ilusão do quarto privado nos diz que nossa mente está em nosso corpo, como alguém está sozinho em um quarto. Protegidos por grossas paredes e uma porta trancada com cadeado. É como se esse alguém, nesse lugar solitário e confortável, olhasse o mundo à distância pelas janelas desse quarto.

As paredes do quarto são nossos ossos, nossos músculos, nossa pele, nossas fronteiras. As janelas são nossos sentidos e o solitário dentro daquela sala vazia é cada um de nós.

Essa imagem, moderna, derivada de um conjunto bem articulado de teorias e concepções sobre o mundo e a alma humana, que derivam de Descartes, Locke, Leibniz e até Shakespeare, nos presenteou com a segurança de nossa solidão e com uma curiosa alucinação de onipotência mental.

O dualismo corpo-mente nos presenteou com a terra devastada. Com a impressão de que temos um corpo como quem tem uma moeda no bolso. O esquecimento do corpo é um tópico bem estudado na filosofia contemporânea. Nossa impressão de deslocamento, nossas sensação de exílio, a ideia de uma prisão física para uma alma imortal (que remonta as antigas seitas órficas e ao gnosticismo cristão dos primeiros séculos) nos ofertou um mote forte para o abandono do corpo, com a desconcertante impressão de que não estamos comprometidos com esse mundo e que o corpo, como parte da história biológica da terra, é apenas um invólucro provisório de nossa essência, uma capa protetora para um Eu intangível que se esconde por trás de suas paredes.

Joseph Campbell percebeu essa síndrome moderna e chamou o estado de nossa corporeidade contemporânea de terra devastada. Quando Stanley Keleman, coordenador do Centro para estudos energéticos em Berkeley, Califórnia, encontrou-se com Campbell e em sua parceria, entabulou uma longa conversa sobre corporeidade e mito, um caminho de escape da terra devasta começou a ser pensado.

A ideia é que os mitos são criados não em função da mente, mas sim em resposta a determinadas sugestões do corpo é o fio de Ariadne de nosso quarto privado. Como um sonho coletivo, o mito nos apresenta uma chave para compreendermos a relação com nossos corpos e para que possamos abandonar o estado de alienação em que nos encontramos diante do fluxo biológico da terra e reencontrar um lugar menos solitário para se estar nesse mundo.

O mito de Parsifal e do Graal é o mote do livro de Keleman em suas conversas com Campbell (Mito e corpo: uma conversa com Joseph Campbell – Summus Editorial). A conexão de nosso Self com nosso corpo ancestral, um corpo coletivo que remota a tempos onde a memória das vidas individuais e particulares não pode chegar é expressa através da narrativa mítica. O mais interessante das intuições de Campbell a partir da história de Parsifal e da busca pelo Graal é que nossas vidas privadas, a história de nossas individualidades e de nossas experiências pessoais não podem ser contadas sem o apelo a uma narrativa, a uma trama que une diversos personagens que se sucedem e que aparecem marcados em nossos corpos, na infância, na adolescência, na juventude, na vida adulta, na velhice…  Arthur Schopenhauer explicou isso uma vez dizendo: “o mundo é como um sonho sonhado por um único sonhador, no qual todos os personagens estão sonhando também. Eles estão sonhando suas vidas e tudo se coordena em uma harmonia misteriosa”.

Existem muitos personagens corporais em nossas histórias. Existe o velho sábio, o jovem guerreiro, a grande mãe. Existem nossos próprios personagens pessoais que misteriosamente se conectam aos personagens dos mitos que compõe nossa experiência coletiva. Macunaíma, Beowulf, Parsifal, Gilgamesh… não importam os nomes, suas narrativas se fundem com as nossas e suas histórias nos apresentam a chave para nos livrarmos do confortável e vazio lugar solitário de nossa própria mente. Para que possamos reaprender a ser nosso corpo e semear novamente nossa terra devastada com algum tipo novo e revigorante de esperança.

Anúncios

Read Full Post »

Por Nara Trevizan


Neste artigo, trago uma proposta de pesquisa na interface entre a Arquitetura e a Psicologia dentro de uma abordagem reichiana, buscando obter diretrizes para aproximar a intervenção arquitetônica nos espaços residenciais às necessidades, desejos e traços de caráter de seus usuários.(…)

Esse assunto sempre me pareceu vasto e fascinante(…) já que todos nós habitamos “um lugar” e, porque nossa casa é um universo único, onde os significados tomam forma e são distribuídos obedecendo uma ordem que revela quem somos e como nos posicionamos nesse espaço que nos acolhe e protege.

O usuário quando se apropria de “seu lugar”, busca através de um conjunto de símbolos e signos, marcar este território imprimindo nele uma identidade própria. (…)

 Um método para auxiliar a identificar essa adequação cognitiva entre homem-ambiente pode ser a leitura reichiana do caráter da pessoa(…).

 (…)Segundo Reich (1995), caráter significa o modo de agir de uma pessoa. Inclui-se nesse modo de agir o tom de voz, postura, vestimenta, etc. Dessa forma, uma pessoa irá se relacionar com outras pessoas e objetos de acordo com os seus traços de caráter. O mesmo se diz a respeito de suas preferências na decoração de seus ambientes residenciais.

Caráter esquizóide
Têm como comportamento básico a esquiva e a racionalização. Geralmente, são pessoas frias, distantes, reservadas. Em relação às suas preferências pela decoração do ambiente onde vivem, percebem-se a busca por cores frias como o azul, lilás e branco com detalhes em cores puras ou ambientes monocromáticos. Quando houver o uso de estampas, percebe-se o gosto por desenhos geométricos e uma preferência por móveis em metal, ou madeira escura, pisos limpos e brilhantes, poucos móveis nos ambientes e iluminação sóbria, tudo isso, condizente com o ser traço de caráter, esquizóide. Uma residência com esse perfil é, geralmente, discreta e reservada, e poderá oscilar entre os estilos conservador e futurista passando pelo alternativo, desde que mantenha espaços bem compartimentados e definidos e com poucos móveis (estilo clean) para evitar muita “poluição” visual. É muito difícil ter muitos moradores nesta casa, no máximo, um casal com um ou dois filhos, onde sala de leitura e meditação são cómodos quase obrigatórios.

Caráter oral
São pessoas mais extrovertidas, amáveis e ótimas anfitriãs. Os moradores, cujo traço de caráter que predomina é o oral, preferem mais receber os amigos do que fazer uma visita. Sãs preferências por cores quentes para os detalhes decorativos como o ocre, laranja, bordo, estampas florais e fibras naturais deixam seus ambientes muito aconchegantes. Produzem ambientes que geralmente nos faz lembrar da infância, muito bem cuidados nos pequenos detalhes, mas que nem sempre, a ordem faz parte da rotina. É um local acolhedor, tranquilo e muito bonito em sua simplicidade, sendo a sala e cozinha, os locais mais movimentados da casa (se possível em espaços próximos ou integrados), com paredes em cores suaves e alegres, como o amarelo, bege, rosa.

Caráter obsessivo-compulsivo
São pessoas conservadoras e apegadas ao tradicional e com um gosto exacerbado pela ordem. Apresentam um gosto por uma casa organizada, prática e cheia de normas, onde tudo deve ser funcional e sóbrio, com uma decoração básica em móveis de madeira bem tradicionais, e cores sóbrias e neutras em todos os ambientes e uso do verde musgo, bordo ou azul nos detalhes da decoração onde a simetria é quase sempre valorizada. Num projeto arquitetônico, para essetipo de caráter, escritório, despensas, armários muito bem estudados em sua função e distribuição tem particular importância.

 Caráter masoquista
Têm como traço marcante em seu comportamento a ansiedade, sentimento de culpa e uma tendência ao desapego pelos bens materiais. Geralmente têm uma grande preocupação com o próximo. Não é difícil encontrar entre os moradores de uma casa alguém com esse perfil. Geralmente são profissionais da área médica, religiosa, educacional, social ou voluntário em alguma instituição. Apresentam preferência por ambientes bem despojados e integrados, muito colorido nos detalhes, com vasos de plantas e floreiras, cores claras e discretas, móveis de diversos estilos, fibras naturais que transmitem um aspecto muito acolhedor e amistoso. No projeto arquitetônico, o quarto de hóspedes e varandas fazem parte sem dúvida, da lista, se não de necessidades, pelo menos de desejos.

 Caráter fálico-narcisista
São pessoas alegres, agitadas, dinâmicas e cheias de movimento. São moradores que têm muito “jogo de cintura” para trabalhar com as mudanças constantes em suas vidas. São pessoas que não gostam de monotonia. Por este motivo, estão sempre trocando os móveis de lugar e fazendo reformas. Local para prática de esporte e malhacão é sempre bem vindo, assim como projetos arrojados e originais. Gostam de conforto e luxo, por isso trabalham muito para conseguir prosperar. Cuidam muito bem da casa, nunca a deixam deteriorada, bagunçada ou suja. São ótimos anfitriões e amigos fazendo que a sala de estar, de televisão e cozinha sejam os locais preferidos da casa. Tudo o que for relacionado a conforto e status será uma boa ideia nesse local, porque é o esperado passar uma vibração de sucesso, riqueza, solidez material, segurança e poder.

Caráter histérico
São pessoas alegres, falantes e inquietas com tendência a gostar de coisas diferentes, exóticas e chamativas como ambientes com espelhos, luzes, metais, brilho, cores fortes e vibrantes, texturas e materiais nobres. E por seus proprietários serem pessoas dinâmicas e inquietas, faz com que sempre estejam mudando algo na casa – pinturas, móveis ou pequenas reformas. No projeto arquitetônico, é importante prever espaços amplos ou multifuncionais, porque muitas festas e reuniões serão dadas nesta casa, fazendo que a sala de estar ou espaço social e banheiros sejam os locais mais valorizados da casa, assim como, armários ou locais especiais para guardar roupas, brinquedos , equipamentos e móveis componíveis e de fácil remanejamento.

Na Integra aqui!

Read Full Post »

bodyImagem: Rhythman Trader, Dean Graham. Coleção Particular – The Bridgeman Art Library.

* Por Rubens Kignel

Seguidores de Wilhelm Reich desenvolveram abordagens hoje reconhecidas mundialmente como psicoterapias: bioenergética, biossistêmica, biossíntese e biodinâmica procuram o equilíbrio entre corpo, psique e sociedade.

 

Wilhelm Reich, o precursor do “corpo em psicoterapia”, deixou um legado de importantes discípulos, a partir dos quais nasceu uma segunda geração de seguidores que ocupam lugar de destaque na psicoterapia brasileira e de vários países. São chamados de neo-reichianos, pois se baseiam em conceitos e princípios criados por Reich, mas revistos, atualizados e influenciados por suas próprias pesquisas. Durante muitos anos o trabalho neo-reichiano foi considerado um campo paralelo à psicoterapia, mas hoje é reconhecido mundialmente como psicoterapia. Seu movimento de evolução e atualização foi muito vigoroso durante os últimos 30 anos. Vejamos algumas das principais abordagens e alguns de seus conceitos principais.

O trabalho de Reich sobre a “couraça muscular” foi desdobrado por Alexander Lowen e John Pierrakos, considerados os primeiros discípulos neo-reichianos. Ambos estudaram diretamente com Reich antes de trabalhar em colaboração. Por volta de 1950, desenvolveram uma técnica que denominaram “bioenergética”, termo reichiano que significa energia biológica. Lowen e Pierrakos acabaram seguindo caminhos diferenciados apesar de terem mantido as mesmas bases e conceitos do mestre.

 

Lowen continuou com o trabalho da bioenergética, que acabou se transformando numa abordagem muito conhecida e reconhecida de trabalho psicocorporal. Um dos principais conceitos da bioenergética é o grounding, termo em inglês que significa “enraizamento”, ou, em bom português, “pôr os pés no chão”, “incorporar-se”, “equilibrar-se”, “cair na real”, “estar em si e consigo mesmo”. No princípio, grounding significava para ele o movimento energético da cabeça em direção ao pés, como forma de incorporação e autoconhecimento.

 

Lowen partia do princípio reichiano de que os caracteres neuróticos, durante o ciclo do desenvolvimento, fixam-se energeticamente em algum ponto-chave do corpo, interrompendo o fluxo da energia. Esses pontos são chamados de anéis, e o bloqueio de energia ocorre desde muito cedo, durante os primeiros três meses, quando o bebê aprende a se defender principalmente com os olhos, evitando o contato ruim com o ambiente. O bloqueio, portanto, se estabelece nos olhos. Mais tarde, na época do desenvolvimento da sexualidade, a interrupção do fluxo de energia se dá na pélvis.

 

O objetivo da bioenergética é desbloquear essa circulação, que em geral vem carregada das repressões, de tal forma que ao longo da relação terapêutica a pessoa se dá conta de sua história, de seus traumas e dificuldades, restaurando um fluxo melhor e mais dinâmico. Cada um dos caracteres, de acordo com Lowen, acaba se fixando em algum dos anéis: ocular, oral, peitoral, visceral e pélvico, dependendo da fase do desenvolvimento em que o trauma ocorre e da formação deste.

 

No setting bioenergético, terapeuta e cliente podem trabalhar de pé, para que o cliente explore sua energia nas chamadas “posições de stress”, que estimulam os bloqueios a ganhar força e serem expressos. Dessa forma, é possível localizar com mais facilidade os bloqueios e restaurar ou reparar o fluxo psicoenergético.

 

Os terapeutas bioenergéticos usam também o chamado stool ou “banquinho”, em que o cliente deita de costas para alongar e estimular a musculatura paravertebral e o músculo diafragmático, que controlam movimento, sensação e respiração.

 

Descontraindo a repressão físico-emocional incorporada nas costas e na respiração, libera-se tanto o corpo físico quanto o “corpo subjetivo”, para que o processo psicoterapêutico se realize. O setting também pode ocorrer no divã, onde há a possibilidade de exploração de descarga ou contenção energética. O paciente se deita e, com a coluna apoiada, braços e pernas ficam livres para ser usados em movimentos de agressão ou acolhimento.

 

Essas técnicas corporais são acompanhadas de um profundo conhecimento psicodinâmico. Os terapeutas passam por uma intensa formação psicanalítica, que acompanha o processo. Lowen conseguiu juntar aspectos da dinâmica corporal e do organismo com a psicanálise freudiana.

Pierrakos, por outro lado, alinhavou o conceito de caráter a um trabalho em comunidade que chamou de core-energetics, desenvolvido em conjunto com sua primeira mulher, Eva Pierrakos. Assim criaram o patchwork, que integra os conceitos da personalidade com a core energética, e tem conteúdo particular no desenvolvimento da espiritualidade. O princípio da core energética considera a idéia de que tudo é energia e consciência formada com um contínuo pulsar de movimento ao interior e ao exterior da pessoa. Essa energia é chamada por Reich de “orgone”. Está tanto no Cosmos como no organismo humano, ou seja, em tudo o que existe. A capacidade de direcionamento dessa energia, de acordo com John e Eva Pierrakos, seria a própria capacidade de conscientização e, portanto, de chegar ao core (núcleo ou essência) pessoal. Influenciado pelos conceitos junguianos de “máscara”, “sombra” e “self”, Pierrakos denominou a primeira camada defensiva de “máscara”, representando as couraças musculares aparentes ou superficiais; de “eu inferior” ou “sombra” os sentimentos negativos inconscientes contidos na musculatura mais profunda; e de “eu superior” ou self core aos sentimentos positivos contidos no corpo

 

Desbloqueio das couraças

Outras duas importantes abordagens são a biodinâmica e a biossíntese, desenvolvidas respectivamente por Gerda Boyesen e David Boadella, clientes de Ola Raknes, discípulo direto de Reich na época em que este viveu na Noruega.

 

Psicóloga e fisioterapeuta norueguesa, Boyesen foi cliente e aluna de Raknes. Desenvolveu um trabalho em que aliava a experiência psicoterapêutica dos conceitos reichianos a técnicas de massagens inspiradas na fisioterapeuta Aadel Bülow-Hansen (tanto no âmbito da fisioterapia quanto no uso da massagem para tratamento de distúrbios mentais e psicossomáticos) e na vegetoterapia criada por Reich e desenvolvida na Noruega por Raknes. O objetivo de sua técnica é o desbloqueio das couraças muscular, de tecido e visceral – e conseqüentemente da subjetividade nelas contida. As massagens biodinâmicas provaram sua eficiência na prática psicoterápica através do profundo conhecimento das características da musculatura, da pele, da membrana entre a pele e o músculo e do funcionamento visceral conectado com os estágios de desenvolvimento.

 

No brilhante artigo intitulado “A personalidade primária”, Boyesen escreve sobre o desenvolvimento psicoenergético do ponto de vista da relação mãe/bebê especialmente conectado com o canal alimentar. Nesse sentido, as pesquisas em biodinâmica articuladas por Boyesen entre as massagens e a psicoterapia levaram à descoberta da “couraça visceral” (repressões localizadas no funcionamento peristáltico do intestino), tornando-o hiper ou hipotônico, isto é, preso ou solto demais. Essas repressões aconteceram em fases muito primitivas do desenvolvimento desde o nascimento até a fase anal ou de controle do esfíncter, que acarretam problemas psicológicos e psicossomáticos. A esse movimento peristáltico Boyesen denominou psicoperistaltismo, numa alusão à idéia de que a digestão não processa só alimentos, mas também emoções primitivas. O psicoperistaltismo é trabalhado a partir da escuta, feita pelo terapeuta, dos ruídos detectados por meio de um estetoscópio posicionado na barriga do cliente durante a massagem, ruídos estes estimulados pelos diferentes toques e massagens. O toque na superfície da pele levou também à descoberta da “couraça de tecido”, isto é, o excesso ou falta de defesas em nível epidérmico.

 

Gerda Boyesen desenvolveu uma forma de leitura corporal diferente da de Lowen. Enquanto ele articulou a leitura do caráter através da postura somática da pessoa de pé, Boyesen preferiu o exame da pessoa com corpo deitado: por meio do toque e do manuseio do corpo do paciente, investigando musculatura, pele, membrana, articulações, respiração e suas relações significativas com a formação de caráter. A psicoterapia biodinâmica tem forte influência da idéia de relações objetais e, especialmente, dos métodos e dos conceitos winnicottianos.

 

David Boadella, da biossíntese, também foi cliente de Raknes. Primeiro desenvolveu pesquisas com base num estudo aprofundado do desenvolvimento embriológico do ser humano, não somente pela investigação da embriologia orgânica em si, mas também pela articulação entre as camadas embriológicas e o conteúdo orgânico e subjetivo destas: O ectoderma, por exemplo, desenvolve -se em direção ao sistema nervoso, responsável pela relação sensorial e neurológica com o ambiente; o mesoderma, em direção ao sistema muscular e esquelético, encarregado de ação e movimento; e o endoderma, à parte visceral do corpo ligada às emoções mais primitivas. Essas pesquisas levaram Boadella a estudar a evolução do feto no útero, desde a fase embrionária, travando contato com o que chama de “vida intra-uterina” e com as influências que o feto recebe da mãe e do ambiente durante a gravidez. Desenvolveu dois conceitos fundamentais da biossíntese: “útero quente” (receptivo ou acolhedor ao bebê) e “útero frio” (não acolhedor ou rejeitador). Esses conceitos foram expandidos como metáforas de situações da vida e usados psicoterapeuticamente na compreensão dos processos no nível das conexões afetivas viscerais ou endodérmicas.

 

O pensamento de Boadella seguiu em direção a conceitos de movimento e postura chamados “fluxo da forma” e “posturas da alma”, com influência do embriologista alemão Blendsmith e dos conceitos de Stanley Keleman. As posturas básicas do desenvolvimento humano definem fixações caracteriológicas que dependem principalmente da educação e cultura. Uma pessoa pode ter características corporais de flexão (fechadas) e extensão (abertas), tração e oposição, rotação e canalização, ativação e absorção, e pulsação. Cada uma dessas características tem uma respectiva postura corporal acompanhada de uma subjetividade básica ligada a situações de abrir-se e fechar-se a si e ao mundo, possuir e rejeitar, desfocar e focar, atividade e absorção, além de toda pulsação existente entre as posturas.

 

Outros importantes conceitos da biossíntese são os de “grounding” (similar ao de Lowen, que vimos anteriormente), o de “centrar-se”, que se refere à capacidade de estar emocionalmente centrado ou equilibrado, e o de “ver-se”, relacionado com a capacidade de se conectar, tanto ao mundo externo como ao interno, num fluxo dinâmico de comunicação. Cada um desses conceitos é vinculado ao sistema muscular e esquelético, ao sistema nervoso autônomo e visceral e ao sistema nervoso central e ao cérebro, respectivamente.

A biossíntese lida com os conceitos de vínculo psicoterapêutico de Guntrip e Winnicott, em relações objetais, além da compreensão do que chama de bioespiritualidade, idéia desenvolvida pelo dinamarquês Bob Moore. A bioespiritualidade é a capacidade do ser humano de estar com o melhor de si mesmo na vida. Na prática clínica psicoterapêutica são usadas técnicas de movimento, meditação, dança e o conceito de “ressonância”, que ajuda o terapeuta a entrar em contato rítmico com o cliente e vice-versa.

 

Outro importante neo-reichiano que podemos citar é Jerome Liss, criador da biossistêmica. Psiquiatra formado em Harvard, Liss atualmente mora em Roma onde trabalha em cooperação com Maurizio Stupiggia, de Bolonha. A biossistêmica lida com a ação não-verbal nos sistemas corporais humanos: o corpo na família, o corpo na organização, o corpo político e o corpo nos grupos terapêuticos. A importância da biossistêmica reside no fato de que através da postura e das sensações pode-se analisar profundamente as relações familiares, de casal e de grupos.

 

No Brasil existem escolas que representam todas essas abordagens, incluindo algumas universidades, e a importância da psicoterapia corporal hoje está cada vez mais clara. Houve um grande avanço devido às pesquisas na neuropsi-cologia. Neuropsicólogos e neurologistas como Edward Tronick, do Hospital Infantil de Boston, Alan Schore, da Universidade da Califórnia, o médico e psicanalista Daniel Stern, António Damásio e Daniel Siegel, entre outros, pesquisaram profunda e detalhadamente a relação entre emoções e cognição no cérebro. As descobertas a respeito do sistema límbico (por onde passam as emoções), do hemisfério cerebral direito e esquerdo, do sistema nervoso autônomo com funcionamento simpático e parassimpático, do sistema nervoso central, do sistema motor, levaram a confirmações sólidas do que já se sabia empiricamente no trabalho clínico. Com isso, o psicoterapeuta corporal tem condições de trabalho e conhecimento que facilitam bastante os diagnósticos e a clínica, que no e através do corpo descobre e pode reparar funções psíquicas. A contribuição da psicoterapia corporal evidencia o fato de que a possibilidade de transformação deve mobilizar a pessoa como um todo. Se o estímulo for apenas psíquico, as transformações se mostrarão mais difíceis e lentas.

Esses estudos proporcionaram ao psicoterapeuta corporal um preparo avançado, o de conhecer o corpo como um emissor de subjetividade, mas também como organismo, com suas manifestações psicossomáticas, e o corpo como forma, expressa por seus gestos significativos. Além disso, a maioria dos treinamentos oferece um profundo conhecimento da dinâmica psicanalítica, influenciada por diferentes abordagens, tanto para trabalho individual como de grupo.

 

Este mês, a nata de psicoterapeutas e pesquisadores da Europa, dos Estados Unidos e da América Latina estará em São Paulo para compartilhar as novidades da área corporal, com abordagens ainda desconhecidas no Brasil, no 7o Congresso.

É importante lembrar que a psicoterapia corporal tem forte atuação na área social, e talvez seja a linha terapêutica que mais tenha avançado nessa área, pois além do trabalho terapêutico exerce função de educação terapêutica e de saúde, melhorando a qualidade de vida de dezenas de comunidades de baixa renda no Brasil. O trabalho educacional é muito importante na formação de psicoterapeutas, que aprendem constantemente com exercícios práticos e teóricos. Todo psicoterapeuta deve passar por uma intensa experiência prática compartilhada com seus colegas, tanto em grupo como no trabalho individual, para poder interferir no ambiente a partir dessa vivência pessoal.

 

Para conhecer mais:

O corpo no limite da comunicação. Rubens Kignel. Summus, 2005.

O corpo em terapia. Alexander Lowen. Summus, 1997.

Nos caminhos de Reich. David Boadella. Summus, 1985.

Entre psiquê e soma. Gerda Boyesen. Summus, 1986.

http://www.biodinamica.psc.br, http://www.biossintese.com.br, http://www.bioenergetica.com.br

 

 

 

 

 

*Rubens Kignel é psicoterapeuta, mestre em comunicação e semiótica pela PUC-SP, coordenador do curso de pós-graduação “O corpo em psicoterapia” (Unip), membro da Associação Brasileira de Psicoterapia e presidente do 7º Congresso Internacional de Psicoterapias Corporais, que acontece no Sesc Pompéia, em São Paulo, de 13 a 16 de outubro de 2005.

Read Full Post »

 

bellydancer-ronnyvardy

Por Felipe Salles Xavier

 

 

 

 

Antes do verbo era o ventre, a força criadora do universo e da vida. O que seriamos sem o ventre se através dele nós ganhamos a vida? Ele é o centro da existência e da criatividade humana por excelência.

 

 

 

Origem

Atualmente acredita-se que a dança foi à primeira forma artística de expressão e simbolização do ser humano, a principio ela possuía a finalidade de imitar os animais, a natureza e os elementos mágicos, ou seja, imitar tudo aquilo que rodeava nossos antepassados, foi ela a primeira maneira concreta de simbolizar com o corpo e também de um compreender e unificar-se ao sagrado, ao mundo e ao fluxo da vida. (SCARDUA, 2007).

 

A dança assume um papel importantíssimo no desenvolvimento humano, serviu para tentar explicar a nossa própria existência, o fato de nossos antepassados dançarem contribuiu em nosso desenvolvimento biológico, corpóreo e psicológico, experimentando sensações, emoções e sentimentos que eram liberados por esse fazer artístico.

 

Por isso a dança é uma ferramenta que nos possibilita uma unificação ao sagrado, já que nas culturas pré-históricas tudo aquilo que nos cercava era tido como sagrado, pois a crença de sermos fruto do mesma mãe, do mesmo útero, era fortemente socializada, essa mãe é chamada de terra, Gaia, a deusa-mãe natureza.

 

A Dança do Ventre

A dança do ventre foi à primeira forma de expressão do feminino, ela surge em várias culturas, há indícios de que possa ter surgido no antigo Egito por volta de 7.000 a.C, onde eram realizadas por sacerdotisas para rituais de fertilidade e adoração, e também existem pesquisadores que acreditam que ela tenha surgido com um povo mais antigo, os sumérios, provenientemente de um ritual sagrado.

 

As atribuições artísticas só foram incorporadas com a invasão dos árabes ao território egípcio, quando os padrões da dança foram miscigenados, adicionando um caráter comemorativo, onde se celebra as formas de vida, a magia, o nascimento.

 

O verdadeiro nome dessa dança é Raks Sharki (dança do oriente), nos Estados Unidos é conhecida como Belly Dance (dança da barriga), e no Brasil é chamada de Dança do Ventre, esta é uma dança produzida por mulheres e para as mulheres, foi desenvolvida num tempo onde as deusas estavam vivas e presentes em forma de mito, num tempo onde a mulher e a serpente eram sagradas. 

 

A Serpente

A serpente é um símbolo mítico ligado ao feminino, à fertilidade, a regeneração e a saúde. Ela também incorpora o ciclo da vida, enquanto Ouroboros, a serpente que morde a própria cauda, representa a evolução própria, a continuidade, a auto-fecundação, a proximidade entre o mundo superior e inferior, e ainda a idéia de eterno retorno. Portanto, a vida.

 

Mitos e Arquétipos

Os mitos são a conscientização de arquétipos do inconsciente coletivo, neles encontramos representações internas, transcendentes e coletivas, que servem para organizar o funcionamento psíquico e o comportamento, de acordo com o psiquiatra suíço Carl Gustav Jung, os mitos ilustram arquétipos, e estes não podem ser descritos, entretanto podem ser “representados”.

 

Segundo James A. Hall, os arquétipos são padrões universais, determinantes inatos da vida mental, é uma parte não individual da psique, e algo coletivo, resumindo, são tendências herdadas no inconsciente coletivo, que faz com que os indivíduos se comportem de forma semelhante aos ancestrais que passaram por situações parecidas.

 

Impressões Psicológicas

A dança do ventre está intimamente ligada ao arquétipo da Grande Deusa-Mãe, que esta relacionado à criação, o nascimento, a fertilidade, aquilo que é puro e sagrado.

 

Em cada ser humano existe, no mais profundo do seu mundo interior, a recordação da Mãe. Mãe como natureza, mãe como mulher que gerou e criou, mãe como símbolo de toda a poderosa força criadora individual e universal. São impressões psicológicas muito antigas, relacionadas com a experiência do nascimento e da morte. A imagem arquetípica de uma formidável energia que pariu tudo o que existe fica latente no plano inconsciente até que se ative pelas experiências da vida, ou seja despertada por meios invocatórios, como na dança ritualística. Qualquer mulher, quando vai ser mãe, sofre certa estimulação inconsciente desse arquétipo. Na pratica, tudo funciona para que ela se adapte da melhor maneira possível à tarefa de parir, usando o acervo humano de incontáveis experiências. O arquétipo da Grande Mãe é uma espécie de banco de dados de incontáveis experiências de concepção, gestação, parto e cuidados maternais registrados no inconsciente. Tudo é parte do amplo conjunto de memórias do processo evolutivo humano.

( PENNA, 1993, p. 87 – 88 )

 

As mulheres que praticam essa dança entram numa espécie de viagem interior, onde ganham contato com vários símbolos, emoções e sensações ainda não experimentadas, surgem assim às imagens arquetípicas. Na dança do ventre alguns desses arquétipos são:  o Materno, a Odalisca, a Prostituta Sagrada e Afrodite, esses dois últimos estão associados à sensualidade, aos desejos e ao prazer.

 

O Materno

O arquétipo Materno surge de diversas formas, mas sempre de uma simbologia própria, para diversos psicólogos junguianos, o arquétipo da Grande Deusa-Mãe é o próprio arquétipo Materno. A imagem da Grande Deusa-Mãe surge através da história das religiões, e se estende em várias imagens arquetípicas. Nos olhares da psicologia nos relacionamos com o arquétipo Materno através da própria mãe e a avo, da madrasta e a sogra, e outras mulheres com as quais nos sentimos bem, também com a igreja, a universidade, a cidade, a floresta, a lua, útero e outros. São todos esses e muito mais os símbolos que tratam deste arquétipo. Algumas das características que esses arquétipos trazem são: a bondade, o feminino, a sabedoria, a espiritualidade, o cuidado, o instinto, a fertilidade, o oculto, o obscuro, o renascimento, o sedutor, o venenoso, o pavor e o mortal.

 

A Odalisca

A Odalisca é uma dançarina que se utiliza dos homens para satisfazer sua sexualidade, ela traz a sensualidade como forma de vida. É uma mulher comum que serve sexualmente no harém do rei, uma de suas técnicas de sedução é a dança do ventre. Esse arquétipo fala da relação com o próprio desejo, as mulheres em contato com ele vivem a idéia de serem vistas como deusas da beleza, da sensualidade e do prazer, o que é uma condição psicológica existencial, aonde vêm o sexo como uma forma de domínio pelo prazer, isso é uma necessidade de acabar com a própria impotência, inferioridade que tem inconscientemente.

 

A Prostituta Sagrada

A Prostituta Sagrada é uma mulher humana que encarna as diversas deusas do amor, paixão e da fertilidade, algumas dessas são: Inana (Sumária), Istar (Babilônia), Isis e Bastet (Egito), Astarte (Fenícia), Afrodite (Grécia) e Vênus (Roma).  Ela representa a sexualidade de forma divina, é a sexualidade feminina sendo reverenciada, são responsáveis pela felicidade sexual e pelo desejo. Através dessa imagem a mulher se encontra com o próprio corpo, usando ele como arma sedutora para conseguir o que quer dos homens. Ao rejeitá-la pode-se trazer insatisfação na vida, e ao ser possuída por ela, a mulher pode achar que a única coisa que tem a oferecer é o próprio corpo.

 

Afrodite

A deusa Afrodite na mitologia é filha apenas do pai. Seu nascimento se da quando Zeus, corta os testículos de Cronos e seu esperma acaba caindo nas águas. Dessa união nasce Afrodite, a filha do masculino e da emoção. A deusa não conhece o feminino, logo, acha que sua beleza é tudo que tem a oferecer, esse arquétipo trás as informações do “falso” feminino, entretanto, não vivenciá-la traz conseqüências amargas, como a falta de auto-estima, auto-conhecimento, falta de sexualidade e beleza corporal. 

 

 

As mulheres tomam contato com essas informações do inconsciente através de visões e sonhos que aparecem depois de algum tempo do trabalho corporal que é feito, o ideal é que as praticantes dessa arte busquem uma psicoterapia junguiana para trabalharem os símbolos e entrarem em contato com o seu verdadeiro eu.

 

O Corpo

Outro fator importante na dança do ventre é o trabalho bioenergético que se realizam, os movimentos trabalham os músculos superficiais e profundos, soltando-os dos ossos, deslizado e realinhando toda a musculatura, vértebras e a própria postura, isso faz com que haja uma mudança em todos os estados afetivos e psicológicos, dessa forma acaba fazendo com que as couraças se dissolvam, liberando as emoções que no decorrer de nossas vidas ficam presas ao corpo.

 

Boyesen ( 1988 ) diz que as couraças são tensões que são geradas ao longo da vida, servem para proteger o indivíduo de experiências dolorosas e ameaçadoras.

 

Para os psicoterapeutas corporais, o corpo conta a história de vida de cada indivíduo, e o trabalho corporal é necessário para que ocorra a liberação de emoções “engarrafadas” no corpo e para um melhor fluxo de energia orgônica, o que nos proporciona uma melhor qualidade de vida.

 

Segundo Wilhelm Reich, médico e psicanalista o Orgone é uma energia universal, sem massa e nem inércia, que esta em tudo o que é vivo, e ele pode ser acumulado no corpo através da respiração profunda. 

 

Na dança do ventre é fundamental o trabalho com muitos músculos e com respiração profunda, o que é base no trabalho corporal, os seus movimentos atuam diretamente nos desbloqueios das couraças e no acumulo de orgone.

 

Nessa abordagem levamos em conta que o corpo é um local privilegiado da subjetividade de cada um, e deve ser respeitado como tal.

 

A dança do ventre religa as suas praticantes ao feminino, ao sentimental, ao puro, ao sagrado, ao prazer, ao corpo e aos arquétipos, nos remetendo a tudo aquilo que é essencial a vida e que a sociedade atual não tem tempo para desfrutar, ou seja, ela possibilita uma (re)construção sobre um ser humano primordial.

 

Nessa jornada do auto-conhecimento entramos num processo de auto-cura onde há aumento da auto-estima, sensualidade, sexualidade, do gosto pela vida e melhor fluxo de nossas próprias idéias, afetos e emoções.

 

Então com olhares de duas abordagens psicológicas distintas, podemos ver que trabalham excelentemente bem juntas, um trabalho corporal e analítico, nos faz entrar em contato com a nossa verdade, com nossos símbolos, com o sagrado e com um corpo-Eu, é a aproximação perfeita de corpo, mente e alma. 

 

 

Baseado em Lucy Penna (Dance e Recrie o Mundo: A força criativa do ventre)

e Angelita Scárdua  (A Dança e a (re)Criação do Universo Pela Metáfora Espacial)

Read Full Post »